Melasma

ONDAS DE CALOR PODEM PIORAR O MELASMA?

O que é o melasma?

Melasma é uma condição genética e crônica caracterizada pelo aparecimento de manchas escuras na pele, mais comumente na região facial, embora também possa ocorrer nos braços e colo. Esta condição afeta predominantemente as mulheres, embora também possa ser observada em homens. Embora não haja uma causa definitiva estabelecida, muitas vezes o melasma está associado ao uso de contraceptivos femininos, à gravidez e, principalmente, à exposição solar.

O desencadeador primário do melasma é a exposição à luz ultravioleta, além da luz visível e calor (infravermelho). Além dos fatores hormonais e da exposição aos raios solares, a predisposição genética e o histórico familiar desempenham um papel significativo no desenvolvimento dessa condição. O melasma pode se manifestar como manchas escuras irregulares na pele, e sua persistência é muitas vezes influenciada pela intensidade e duração da exposição aos fatores desencadeantes.

O manejo e tratamento do melasma geralmente envolvem abordagens como o uso de protetor solar, tratamentos tópicos, procedimentos dermatológicos e, em alguns casos, intervenções hormonais, dependendo das características individuais do paciente.

Melasma e o calor intensivo

As mulheres com melasma frequentemente experimentam uma piora significativa durante o verão, e é comum ouvir a expressão: “Eu não tomei sol e o melasma piorou”.

O melasma é uma condição “traiçoeira” que pode se agravar mesmo na sombra, pois está sujeito a diversos estímulos, como exposição solar, calor, estresse, uso de medicamentos e irritações locais. O mecanismo exato que favorece o surgimento dessas manchas ainda não está completamente esclarecido.

A principal vilã responsável pelo escurecimento da pele no melasma é uma célula sofisticada e complexa chamada melanócito. Essa célula tem origem no sistema nervoso central e migra para a pele durante o período fetal, alojando-se numa camada intermediária entre a epiderme e a derme. Com uma aparência semelhante a um polvo, o melanócito possui vários receptores que respondem a estímulos de diversas fontes do organismo. Por esse motivo, o estresse pode agravar as manchas, uma vez que induz o aumento do cortisol, um hormônio que estimula a produção de melanina.

A melanina é uma proteína que se distribui na superfície da pele, contribuindo para nossa cor e funcionando como uma defesa contra agressões externas, como a radiação ultravioleta. Como mecanismo de proteção, a produção de melanina é aumentada em resposta a agressões como queimaduras solares, peelings, depilação com cera, ácidos, entre outros. Portanto, é crucial que o tratamento para o melasma não irrite a pele, pois a irritação pode resultar em uma maior produção de pigmento, escurecendo ainda mais as manchas.

A pele mais propensa a desenvolver melasma é aquela morena e miscigenada, pois nesses tipos de pele, o melanócito é mais competente e ativo.

SINTOMAS

Os sintomas do melasma manifestam-se através do surgimento de manchas irregulares e escuras ou acastanhadas na face, com uma localização típica, principalmente nas maçãs do rosto, região frontal (testa), nariz, lábio superior (conhecido como “buço”) e nas têmporas, além da lateral dos braços e colo. Essas manchas apresentam formatos irregulares e bem definidos, geralmente sendo simétricas, ou seja, semelhantes nos dois lados. Embora muitas vezes as pessoas associam o aparecimento das manchas ao uso de determinado creme, procedimentos de depilação com cera, acidentes domésticos envolvendo calor ou forno, todas essas possibilidades são consideradas apenas “mitos” e não foram cientificamente comprovadas.

TRATAMENTO

O dermatologista é o profissional mais adequado para diagnosticar e tratar o melasma. Os tratamentos disponíveis variam, mas frequentemente incluem orientações sobre hábitos de proteção contra os raios ultravioleta, luz visível, e o uso de medicamentos tópicos e procedimentos para o clareamento da pele. É importante destacar que o tratamento do melasma geralmente abrange um conjunto de medidas com o objetivo de clarear as manchas, estabilizar a condição e prevenir a recorrência do pigmento.

Cuidados para Prevenir e Tratar o Melasma:

  • Usar Protetor Solar diariamente: A exposição excessiva ao sol sem proteção é uma das principais causas do melasma. Portanto, é crucial aplicar protetor solar diariamente, mesmo em dias nublados, como medida essencial de prevenção. Proteger-se com um protetor de 12 horas de duração é essencial para não ter que retocar sempre e garantir uma profunda proteção contra os raios UVA e UVB.
  • Utilizar Dermocosméticos Clareadores: Dermocosméticos clareadores são eficazes na redução e tratamento do melasma. Evitar o uso desses produtos pode agravar a condição e prejudicar a saúde da pele.
  • Atenção à Luz Azul e Visível: Dispositivos eletrônicos, como smartphones e computadores, emitem luz azul e visível, que podem agravar o melasma ao estimular a produção de melanina. Recomenda-se o uso de protetor solar com ação anti-luz azul e visível para prevenir esse efeito.
  • Tratar Outras Condições de Pele: Algumas condições de pele, como a  acne, podem contribuir para o agravamento do melasma. Portanto, é essencial tratar todas as condições de pele em conjunto para promover uma pele uniforme e saudável.
  • Evitar Estresse Excessivo: O estresse pode desencadear diversos problemas de saúde, incluindo a piora do melasma. Reduzir o estresse por meio de atividades relaxantes pode ser benéfico para a saúde da pele.
  • Manter uma Alimentação Equilibrada: Uma dieta pobre em nutrientes e antioxidantes, rica em alimentos processados, pode impactar negativamente a saúde da pele, incluindo o melasma. Portanto, é importante manter uma alimentação equilibrada, com ênfase em frutas e vegetais.
  • Hidratar adequadamente a pele: A pele desidratada torna-se mais suscetível a danos, incluindo o melasma. Hidratar a pele diariamente com produtos adequados ao tipo de pele, preferencialmente sem fragrâncias e com ingredientes hidratantes como o ácido hialurônico, é fundamental para manter a saúde cutânea.

Comentários

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *