12 Horas de Proteção SolarCâncer de PeleProteção SolarProtetor SolarSem categoria

Mitos e verdades sobre o câncer de pele

Rate this post

Descubra a verdade por trás dos mitos mais comuns sobre o câncer de pele. Com tanta informação disponível, é fácil ficar confuso sobre o que é verdadeiro ou falso quando se trata dessa preocupante condição de saúde. Neste artigo, vamos desmascarar os equívocos mais populares relacionados ao câncer de pele, para que você possa tomar decisões informadas sobre a proteção da sua pele. Descubra 6 mitos e verdades sobre esse assunto tão necessário.

 Apenas pessoas de pele clara desenvolvem câncer de pele?

Mito. Muitas pessoas acreditam que somente aquelas pessoas com pele clara estão em risco de desenvolver câncer de pele. No entanto, isso é um equívoco. Embora pessoas de pele clara tenham maior probabilidade de desenvolver câncer de pele pois possuem menos pigmento na pele, e consequentemente tem uma menor proteção contra as radiações UV, pessoas de todas as tonalidades de pele podem ser afetadas. O câncer de pele não se discrimina com base na cor da pele.

Os raios UV podem ser poderosos nos dias nublados?

Verdade. Mesmo em dias nublados, é importante usar protetor solar e tomar medidas adicionais de proteção contra o sol, visto que, em dias nublados o UVB diminui mas o UVA NÃO, sendo assim, temos que usar chapéus de abas largas e roupas de proteção.

Bronzeamento artificial causa câncer de pele?

Verdade. Não é o bronzeador que causa câncer, mas, sim, a exposição desregrada ao sol. Sabemos quais são as consequências de pegar sol nos horários inadequados, então, o que pode provocar câncer de pele é o bronzeamento artificial: cada sessão pode aumentar 30 vezes o risco de um tumor cutâneo, portanto é um resultado estético imediato que pode trazer um grande aborrecimento no futuro. Os raios UVA emitidos pelas câmaras estimulam a produção de melanina (que dá a coloração mais escura da pele e protege da radiação solar). É justamente essa radiação que está relacionada a um maior risco de melanoma, o tipo mais agressivo de câncer de pele. As lâmpadas usadas nessas cabines são capazes de acelerar o envelhecimento da pele. O Bronzeamento pode causar sérios riscos à saúde de quem se submete a eles como o câncer de pele, envelhecimento cutâneo acelerado, queimaduras e desidratação excessiva.

O câncer de pele pode afetar pessoas de todas as idades?

Verdade. Embora o risco de câncer de pele aumente com a idade, é importante lembrar que o câncer de pele pode afetar pessoas de todas as faixas etárias. Mesmo crianças e jovens adultos estão em risco, especialmente se não tomarem as devidas precauções contra a exposição ao sol.

Câncer de pele não melanoma pode evoluir para melanoma? 

Mito. Trata-se de lesões distintas, que surgem em estruturas diferentes do corpo. Os três principais tipos de câncer de pele são:

  • Carcinoma basocelular – é o mais prevalente e encontra-se na epiderme (camada superior da pele). Tem aparência de feridas ou lesões avermelhadas. Podem ter sangramentos com pequenos “raspões”.
  • Carcinoma espinocelular – surge em células escamosas e também se manifesta como feridas. Na fase inicial possui lesão avermelhada semelhante a um eczema.

Melanoma – é o tipo mais raro e também mais agressivo. Geralmente, tem aparência semelhante à de uma pinta, com alterações no formato, tamanho ou cor.

Depilação a laser pode ser um fator de risco para o desenvolvimento do câncer de pele?

Mito. O laser pode ser importante tanto na parte estética quanto na médica. Pode ser utilizado, por exemplo, na fototerapia, método terapêutico empregado quando há muitas lesões no paciente. No entanto, são técnicas distintas e que não devem ser utilizadas no tratamento de lesões cancerígenas. Então o que se pode fazer para a Prevenção do câncer de pele?

A melhor maneira de prevenir o câncer de pele é proteger sua pele dos danos causados pelo sol. Aqui estão algumas medidas preventivas que você pode tomar:

  • Use protetor solar com um fator de proteção solar (FPS) adequado para o seu tipo de pele.
  • Procure um protetor solar que seja próprio para seu tipo de pele, que tenha uma ação prolongada e reaplique sempre que necessário.
  • Use roupas de proteção, como chapéus, camisas de manga comprida e óculos de sol, nas horas de maior incidência solar evite exposição solar.
  • Faça auto exames regulares da pele para detectar alterações suspeitas e consulte um dermatologista se notar algo incomum.

É essencial buscar informações confiáveis e tomar medidas preventivas para proteger sua pele dos danos causados pelo sol. Lembre-se de que qualquer pessoa pode desenvolver câncer de pele, independentemente da cor da pele ou da idade. Cuide-se. Você merece.

Caso você tenha mais dúvidas sobre Câncer de pele, consulte este artigo aqui.

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *