Melasma

COMO CLAREAR O MELASMA: O QUE FAZER EM CADA CASO?

Se você busca respostas sobre como clarear o melasma, saiba que a Ada Tina preparou este conteúdo completo para te auxiliar na tarefa de deixar sua pele mais saudável e livre de manchas, tornado seus momentos de autocuidado cada vez mais frequentes.

Adiantamos que essa condição refere-se a manchas escuras e de aspecto acastanhado, que ao longo do ciclo de vida acometem a face. Hoje é foco de estudos de especialistas da pele, mas ainda causa preocupações entre indivíduos que buscam entender sobre o assunto. Por isso, convidamos você a descobrir novos detalhes relacionados a esta condição, e fundamentalmente os tratamentos mais indicados para cada caso: siga conosco nesta leitura e entenda como clarear o melasma.

Entenda o processo: como tratar o melasma?

Ao entender mais sobre suas causas, passamos a compreender também o seu processo de tratamento, que apesar de complexo em alguns casos, possui um ponto de partida simples: impedir os danos na pele causados pelo sol, e consequentemente, a piora das manchas no rosto.

Entre as principais soluções, destacamos o cuidado para evitar outras agressões à pele já lesionada e com depósito de pigmento, responsável pela coloração escura. Se os raios solares vão agravar as manchas já existentes, assim como a incidência de luz visível, o primeiro passo necessário é evitar a exposição solar desprotegida. Para isso, o uso de protetor solar de amplo espectro que possua tecnologia 12 horas de proteção sem a necessidade de reaplicação, é a maior contribuição que você poderá oferecer à sua saúde.

Nós da Ada Tina ressaltamos também que a proteção contra os malefícios da luz azul emitidas por telas de smatphones e computadores é importante e, para isso, recomenda-se o uso de protetores solares com ação e benefícios antioxidantes, sendo assim, existem produtos com eficácia comprovada para este tipo de proteção. Se você quer descobrir mais sobre como clarear melasma, além de outras informações preciosas relacionadas a essas condições, confira logo abaixo.

Gradação do melasma: influências no tratamento

Nesta hora, a observação das manchas escuras e acastanhadas na epiderme dão as respostas necessárias sobre como tratar melasma de maneira assertiva e com os melhores resultados aos tratamentos. Para facilitar o entendimento do assunto, nós trouxemos os tipos de melasma existentes, assim como os cuidados responsáveis por clareá-lo em cada caso. Descubra na sequência:

Melasma grau 1

É o melasma mais recente, com menos de 1 ano, apresentando manchas ainda claras e menos profundas e que necessita de tratamento rápido para não evoluir para os graus mais graves. Também chamado de melasma epidérmico, pois as manchas estão localizadas nas camadas mais superficiais da pele.

Melasma grau 2

É o melasma com mais de 1 ano, com manchas bem visíveis e mais escurecidas e que já não responde bem aos tratamentos comuns. Também chamado de melasma misto, pois as manchas se localizam nas camadas superficial e médias da pele.

Melasma grau 3

É o melasma com mais de 5 anos, antigo, persistente e com manchas profundas e resistentes aos tratamentos comuns. Também chamado de melasma dérmico, pois as manchas escuras já se localizam na camada mais profunda da pele.

Melasma Grau 4

É o tipo mais grave de melasma, com mais de 10 anos, muito antigo, muito persistente e com manchas muito profundas e muito resistentes aos tratamentos comuns. Também chamado de melasma dérmico grave pois as manchas escuras já se encontram nas camadas mais profundas da pele com grandes depósitos de melanina.

Reconhecemos, então, que a exposição excessiva à radiação infravermelha e o alto consumo de fontes luminosas visíveis são fatores desencadeantes relatados em estudos sobre o tema, mas afinal, como tratar corretamente a depender da gravidade? Nós da Ada Tina detalhamos as melhores soluções, veja na sequência!

É possível clarear melasma?

Com frequência, nos questionam aqui no blog se o melasma tem cura. Apesar de existirem casos em alta gravidade em que o tratamento é mais complexo e demandam maior tempo investido, em geral, se detectado de maneira precoce e sendo direcionados os melhores cuidados, é possível, sim, clarear as manchas e oferecer à pele fatores de proteção necessários.

E por falar em tratamento adequado, apresentamos as principais indicações de como tratar a depender da gradação das manchas na pele que com o tempo se agravam: garanta quanto antes os cuidados necessários.

Como tratar melasma segundo o Dr. Maurizio Pupo

O tratamento propriamente dito é feito com o uso de clareadores, séruns e entre outros procedimentos como o microagulhamento com vitamina C tópica, sendo sempre associados a protetores solares adequados para o tratamento.

Sobre como tratar a depender da gravidade dos sinais apresentados, confira abaixo:

Como tratar o melasma grau 1

De acordo com a classificação do especialista em cosmetologia Dr. Maurizio Pupo, o melasma grau 1 é aquele de tom marrom mais claro, em dimensões menores, que aparece em pequena quantidade e tende a ser mais superficial, ou seja, está na epiderme.

Nestes casos, segundo o Dr. Pupo, o protocolo de tratamento recomendado é o seguinte: por se tratar de uma condição recente e mais superficial, reponde bem aos cuidados. O ideal, portanto, é o uso combinado de Clarivis Nia10 em conjunto com o protetor Biosole Oxy FPS 50 na sequência, seja durante o dia ou à noite. Após obter os resultados de clareamento esperados, aplique o Clarivis Nia10 na pele apenas à noite e mantenha o tratamento para evitar que as manchas escuras na epiderme voltem a aparecer.

Como tratar o melasma grau 2

O Dr. Maurizio Pupo classifica ainda o melasma grau 2 como ocorrências mistas mais antigas, há mais de 1 ano na pele, presente tanto na derme quanto na epiderme. Este grau exige tratamentos mais complexos através de agentes clareadores mais potentes, de possível assimilação.

O especialista indica, nestes casos, o uso do Clarivis TX aliado ao Biosole Oxy FPS 50, tanto de dia quanto durante a noite. Após conferir os resultados de clareamento desejados, siga o tratamento, porém com a aplicação do Clarivis TX apenas à noite mantendo sempre o Biosole Oxy FPS 50 pela manhã e a noite, de maneira preventiva.

Como tratar o melasma grau 3

O terceiro grau de melasma exige tratamentos mais resistentes, em que usuários de dermocosméticos já recorreram a opções sem que os efeitos de fato diminuíssem ou amenizassem as aparências das manchas escuras na pele.

Apesar de mais complexos e de ocorrência profunda e antiga, há mais de 5 anos, existem bons indicadores para uso de Clarivis TX durante o dia, seguido pelo Pure C FPS 50 para proteção solar. Durante à noite, aplicar o Pure C 20 Hyal e na sequência, para maior potencialização do tratamento utilizar o Pure C FPS 50. No caso das peles delicadas que estão enquadradas no grau 3, pode substituir o Pure C 20 Hyal pela aplicação do Clarivis High Potency duas vezes ao dia, mantendo sempre a proteção solar adequada.

Ressaltamos também que a proteção contra os malefícios da luz azul, emitidas por telas, é importante e, para isso, recomenda-se o uso de protetores solares com ação e benefícios antioxidantes, inclusive em dias nublados.

Como tratar o melasma grau 4

O quarto e último grau é o mais grave grau de melasma. Com mais de 10 anos aparentes, ou seja, muito antigo, o grau 4 apresenta manchas profundas e muito escuras. Esse tipo de mancha é muito resistente, por isso as principais indicações para o tratamento do melasma grau 4 são séruns clareadores que possuem combinações exclusivas de alguns ácidos clareadores em sua formulação.

Uma ótima indicação é o uso do sérum de alta potência Clarivis High Potency, duas vezes ao dia, especialmente desenvolvido para clareamento de manchas muito escuras e muito profundas. A junção desses produtos com um protetor solar antioxidante e clareador, como o Biosole Oxy FPS 50 é uma excelente maneira de clarear manchas muito antigas, como as de melasma grau 4, protegendo sua pele da radiação UV, prevenindo futuros melasmas ou futuras recidivas.

Cuidado com o laser!

Os tratamentos com laser no rosto e até mesmo a utilização de luz pulsada para a remoção de pelos podem, sim, potencializar o aparecimento de manchas. De acordo com pesquisas recentes, o laser pode ser usado para tratar o melasma, mas também pode ser um dos possíveis agravantes. A radiação pode causar a hiperpigmentação pós-inflamatória ou o aparecimento de manchas residuais na pele. Por isso, todos os procedimentos utilizando laser devem ser feitos com o acompanhamento de um médico dermatologista.

Depois de clarear o melasma e controlar a produção de pigmento, é possível optar por outros tratamentos para a redução da melanina já depositada na derme ou tratamentos para diminuir o processo inflamatório em si.

Agora que você conhece mais o que é e como tratar melasma, não deixe de manter os cuidados dermatológicos sempre em dia. Afinal, os efeitos não são somente estéticos, mas também são essenciais para a saúde da pele a longo prazo: não perca a oportunidade de oferecê-los à sua.

+ Clique aqui e descubra o seu grau de melasma!

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.