MelasmaTipos de Melasma

TIPOS DE MELASMA – MELASMA GRAU 4

Muitos pensam que o melasma é uma condição única de pele. Este pensamento é um equívoco, pois existem 4 graus que podem afetar sua saúde cutânea devido à exposição à radiação solar. Hoje você entenderá tudo sobre o melasma grau 4, o pior e mais grave dos melasmas.

O que é melasma?

O melasma é uma condição de pele que resulta na formação de manchas castanho-escuras ou marrom-acinzentadas, com limites bem demarcados, mas formato irregular. É caracterizada pela formação de manchas escuras no rosto, resultante da hiperpigmentação, ou seja, da produção excessiva de melanina (proteína que confere coloração/tom a pele) surgindo como resultado da exposição excessiva às altas radiações ultravioletas, sem a devida proteção da pele ao longo dos anos. Essa condição está geralmente associada à gravidez, mas a atividade hormonal no período da gestação ou dos anticoncepcionais não é o fator causal do melasma, ou seja, o hormônio não é o responsável por causar esse tipo de mancha, mas a atividade hormonal pode, sim, agravar a condição.

Quais os tipos de melasma?

É de extrema importância entender os diferentes tipos de melasma, que são definidos através de graus. Através desta classificação, podemos identificar as medidas mais corretas a se tomar, acrescendo as chances de amenizar e clarear as manchas, pois quanto antes ocorrer a identificação do grau do melasma e os cuidados forem iniciados, mais efetivo será o tratamento.

Eis a classificação em graus do melasma segundo o farmacêutico especialista em cosmetologia Dr. Maurizio Pupo:

Melasma Grau 1

É o melasma mais recente, com menos de 1 ano, e com manchas ainda claras e menos profundas e que necessita de tratamento rápido para não evoluir para os graus mais graves. Também chamado de melasma epidérmico, pois as manchas estão localizadas nas camadas mais superficiais da pele.

Melasma Grau 2

É o tipo de melasma com mais de 1 ano, com manchas bem visíveis e mais escurecidas e que já não responde bem aos tratamentos comuns. Também chamado de melasma misto, pois as manchas se localizam nas camadas superficial e médias da pele.

Melasma Grau 3

Esse grau de melasma possui mais de 5 anos, antigo, persistente e com manchas profundas e resistentes aos tratamentos comuns. Também chamado de melasma dérmico, pois as manchas escuras já se localizam na camada mais profunda da pele.

Melasma Grau 4

É o tipo mais grave de melasma, com mais de 10 anos, muito antigo, muito persistente e com manchas muito profundas e muito resistentes aos tratamentos comuns. Também chamado de melasma dérmico grave pois as manchas escuras já se encontram nas camadas mais profundas da pele com grandes depósitos de melanina.

Características e tratamento do melasma grau 4

Segundo a classificação do Dr. Maurizio, identificamos o melasma grau 4 como o mais grave de todos, pois é uma mancha muito antiga e está visível na pele a mais de 10 anos. Essas manchas são grandes e escuras, surgindo em um estágio muito profundo.

Por essas manchas serem muito antigas e resistentes, as principais indicações para o tratamento do melasma grau 4 são séruns clareadores que possuem combinações exclusivas de determinados ácidos clareadores em sua formulação. Combinar esses produtos com um protetor solar antioxidante e clareador é uma excelente maneira de clarear manchas escuras como as de melasma, protegendo sua pele da radiação UV, prevenindo futuros melasmas ou futuras recidivas.

+ Confira o antes e depois do tratamento do Melasma!

Melhores produtos para o tratamento do melasma grau 4

A Ada Tina possui diversos dermocosméticos voltados para o tratamento do melasma, inclusive para o grau 4, mostrando resultados rápidos e eficientes.

Para o grau 4, a recomendação de produto ideal é a combinação do sérum Clarivis High Potency pela manhã e noite, e do protetor solar antioxidante Biosole Oxy FPS 50 durante o dia. Após atingir o efeito clareador desejado, mantenha o tratamento com o uso diário pela manhã de Biosole Oxy FPS 50 para evitar o reaparecimento das manchas na pele.

+ Clique aqui e descubra 8 mitos sobre o Melasma!

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.