Niacinamida

A NIACINAMIDA E SEUS MÚLTIPLOS BENEFÍCIOS PARA A PELE

niacinamida é um ativo muito utilizado em produtos para o cuidado com a pele, podendo trazer inúmeros benefícios, como efeitos fotoprotetores contra alguns dos mecanismos biológicos importantes na indução de melanoma, incluindo danos ao DNA e imunossupressão induzida por UV.

Para que serve a Niacinamida?

O que é a Niacinamida?

A niacinamida, conhecida também como vitamina B3, é uma vitamina muito estável que oferece diversos benefícios para a pele. Ela é um componente de coenzimas essenciais na produção de energia para as células, além de ter grande importância na reparação do DNA e na homeostase da pele.

Quais são os benefícios e para que serve a niacinamida?

A niacinamida oferece diversos benefícios para a pele. Vários estudos relatam que ela ajuda a eliminar espinhas e problemas de acne, agindo como um agente anti-inflamatório. Pode atuar também como agente antioxidante, prevenir a imunossupressão e a fotocarcinogênese além de ser um ingrediente amplamente utilizado em tratamentos voltados para o clareamento da pele. Em adição, a niacinamida serve para aumentar a eficácia de produtos destinados à pele com manchas, pele seca e sensível ou atuar no tratamento contra as rugas.

Niacinamida atua na redução de manchas escuras

Um estudo publicado pelo British Journal of Dermatology, avaliou os efeitos da niacinamida na redução da pigmentação cutânea. Melanócitos e queratinócitos tratados com niacinamida durante 7 dias foram avaliados quanto à toxicidade (viabilidade celular) e ao clareamento de manchas (via tirosinase).

Além disso, foram feitos estudos clínicos em humanos, onde estiveram presentes 18 participantes do sexo feminino com idades entre 25 e 60 anos, com diversos tipos de manchas marrons. Foram instruídas a aplicar um hidratante com niacinamida 5% em um lado do rosto e um veículo (sem niacinamida) no outro lado do rosto duas vezes ao dia (manhã e noite) durante 8 semanas.

Após avaliação dos resultados, foi constatado que a niacinamida inibiu a transferência dos melanossoma em 35-68% reduzindo a hiperpigmentação e aumentando a luminosidade da pele. Deste modo, os cientistas chegaram a conclusão que a niacinamida é um efetivo clareador de pele que age inibindo a transferência de melanossomos dos melanócitos para os queratinócitos.

Niacinamida promove reparação de danos ao DNA induzidos pela radiação ultravioleta

O câncer de pele não considerado melanoma (carcinomas de células basais e de células escamosas), são as doenças malignas mais comuns em populações de pele clara, tendo sua incidência aumentada com o envelhecimento. A radiação ultravioleta (UV) é a causa primária do câncer de pele. Um estudo publicado em 2013 pela Oxford University Press, avaliou os efeitos da niacinamida no reparo de danos ao DNA induzidos pela radiação ultravioleta. O estudo foi realizado com uma linha celular de queratinócitos humanos com niacinamida em concentração final de 50 µM adicionada ao meio incubado por 24 h em a 37°C contendo 5% de CO2.

Após a irradiação, foram realizados três experimentos separados: radiação UV; radiação UV + Niacinamida; Sem radiação UV; sem radiação UV + Niacinamida. Após avaliação dos resultados, foi constatado que o tratamento das células com niacinamida 50 μM durante 24 horas antes da irradiação estimulou um aumento de 23% no número de células sugerindo uma proteção do DNA celular.Deste modo, os cientistas concluíram que a niacinamida aumenta o reparo do DNA após a radiação UV. Este ativo é atóxico e amplamente disponível, sendo um agente promissor para a prevenção também do câncer de pele.

Niacinamida: combate ao envelhecimento da pele

A aplicação de niacinamida tópica pode apresentar efeitos benéficos na prevenção da perda de colágeno da pele, assim serve para combater os sinais do fotoenvelhecimento, como a textura irregular, tamanho dos poros, manchas hiperpigmentadas, eritema facial, além de reduzir a produção do sebo.

Um estudo publicado pela American Society for Dermatologic Surgery, em 2005, avaliou 50 participantes do sexo feminino com idades entre 35 a 60 anos com sinais clínicos de fotoenvelhecimento (linhas finas e rugas, textura flácida e manchas hiperpigmentadas), com aplicação tópica de niacinamida 5% de um lado do rosto e um produto placebo no outro lado do rosto, duas vezes ao dia durante 12 semanas. Após avaliação dos resultados, constatou-se que houve uma redução em vários fatores, como as manchas hiperpigmentadas, eritema facial, além da redução de rugas pelo aumento da produção de colágeno pela niacinamida.

O aumento do colágeno também gera uma melhoria na elasticidade da pele, que também foi constatada no estudo. A melhora da elasticidade também pode ter ocorrido pela prevenção da glicação da matriz dérmica, impedindo que moléculas de glicose se ligassem as fibras de colágeno e elastina, outra ação da niacinamida.

Tratamento de acne com a niacinamida para a pele

acne é causada pelo aumento da atividade da glândula sebácea, que aumenta a quantidade de sebo na pele e contribui para a proliferação de uma bactéria chamada Propionibacterium acnes, que consome este sebo produzido levando lesões não inflamatórias (comedões abertos ou fechados) e/ou lesões inflamatórias (pápulas, pústulas, nódulos e cistos).

De acordo com um estudo publicado pelo International Journal of Dermatology e pelo Journal of The Turkish Academy of Dermatology, a niacinamida pode agir na inflamação ou na produção de sebo, fator que pode reduzir a oleosidade da pele e consequentemente a acne, sua gravidade e também suas lesões (número de pápulas, pústulas).

Luz azul: efeitos na pele e como se proteger

A luz azul é uma das responsáveis por gerar um estresse oxidativo intenso na pele, por isso, recentes estudos vêm afirmando que a niacinamida tópica pode ser um componente adicional e essencial para combater os radicais livres produzidos pela radiação solar e prevenir também os danos causados pela luz azul.

Um estudo publicado em 2018 pela DSM, comparou os efeitos do uso de protetores solares contendo duas concentrações de betacarotenos de tipos diferentes e o uso de vitaminas, como a niacinamida (Vitamina B3) e o DL-alfa-Tocoferol (Vitamina E) na proteção contra o estresse oxidativo. Para comparar a proteção contra as espécies reativas de oxigênio, foi utilizado um protetor FPS 30 como controle. Assim, a niacinamida foi avaliada sozinha em concentração 3% e em conjunto com 0,5 % de vitamina E na mesma concentração.

Após avaliação dos resultados, foi constatado uma alta e significativa proteção antioxidante da niacinamida e da vitamina E, em comparação com o protetor solar que já exercia relevantes efeitos contra a luz azul.

Tags:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.